Que Medicamento é Esse?: Cloridrato de Ranitidina

O Cloridrato de Ranitidina, é indicada para o tratamento de úlcera no estômago ou no duodeno e para o tratamento de problemas relacionados com refluxo de ácido do estômago para o esôfago, excesso de ácido no estômago indigestão ou azia.

Como Funciona?

A Ranitidina é um remédio antagonista dos receptores H2 da histamina, inibindo assim a produção de ácido pelo estômago, induzida pela histamina e gastrina.

Isto favorece a cicatrização da gastrite, de úlceras pépticas do estômago e do duodeno, e previne o surgimento do mal estar e azia e de outras complicações.

Os Efeitos Colaterais

Alguns dos efeitos colaterais de Ranitidina podem incluir respiração ofegante, dor e aperto no peito, inchaço das pálpebras, face, lábios, boca ou língua, urticária ou fissuras na pele, febre, sensação de fraqueza, náusea, perda do apetite, pele e olhos amarelados, redução dos batimentos cardíacos ou batimentos irregulares, vertigem, cansaço ou fraqueza excessiva, visão embaçada, queda de cabelo, impotência, dor no estômago, diarreia, falta de ar e fadiga, infecções recorrentes ou hematomas.

Quando é Contraindicado?

A ranitidina está contraindicada para mulheres grávidas ou que pretendem engravidar, que estão a amamentar e para pessoas com alergia ao Cloridrato de Ranitidina ou a algum dos componentes da fórmula.

Além disso, Ranitidina comprimidos está também contraindicada para crianças e para pessoas com problemas nos rins ou com porfiria.

Os Cuidados de Enfermagem

  • A medicação deve ser administrada exatamente conforme recomendado e o tratamento não deve ser interrompido, sem o conhecimento do médico, ainda que o paciente alcança melhora;
  • A medicação não deve ser usada durante a lactação. No caso de gravidez (confirmada ou suspeita) ou, ainda, se a paciente estiver amamentando, o médico deverá ser comunicado imediatamente. Recomenda-se cautela também nos casos de disfunção hepática ou renal;
  • Informe ao paciente as reações adversas mais freqüentes relacionadas ao uso da medicação e na ocorrência de qualquer uma, principalmente as incomuns ou intoleráveis, o médico deverá ser consultado. Informe, também, a possível ocorrência de alopecia;
  • Durante a terapia, o paciente deverá receber hidratação adequada;
  • Pode causar tontura ou sonolência. Recomende que o paciente evite dirigir e outras atividades que requerem estado de alerta, durante a terapia;
  • Recomende ao paciente que evite o tabagismo (para prevenir qualquer interferência na cicatrização ou diminuição do efeito da medicação), o consumo de bebidas alcoólicas ou cafeinados (café, chá e refrigerantes à base de cola) e o uso concomitante de ácido acetilsalicílico, como também de qualquer outra droga ou medicação, sem o conhecimento do médico, durante a terapia;
  • Durante a terapia, avalie: as reações adversas e, na presença de reações hepáticas ou renais, considere a redução da dose;
  • Exames laboratoriais: Pode causar aumentos de TGP;
  • Interações medicamentosas: atenção durante o uso concomitante de outras drogas ;
  • VO: a medicação deve ser administrada durante as refeições e antes de dormir;
  • IV: dilua 50mg em 20ml de soro fisiológico 0,9% e infunda em 5min.;
  • Infusão contínua: dilua 50mg em 1400ml de soro glicosado 5% e infunda em 15-20min.; após a diluição (soros fisiológico 0,9% ou glicosado 5%), a solução se mantém estável durante 48h (temperatura ambiente).

Veja Também:

Profilaxia para Úlcera de Estresse nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI)

Anúncios