Quais medicamentos não devem ser macerados?

pilão.png
Você sabia que nem todo medicamento pode ser macerado (triturado)?
 
Há apresentações que são compostas e formuladas para serem liberadas gradualmente ao decorrer das horas, tendo sua finalidade de proteger os princípios ativos do pH baixo do estômago, bem como proteger a mucosa gástrica dos efeitos irritantes que algumas drogas possuem.
 
Da mesma maneira, alguns medicamentos possuem um revestimento entérico, formulado com a intenção de permitir que tais medicamentos passem intactos pelo estômago e liberem seus princípios ativos diretamente no intestino.
 
Tal mecanismo protege o estômago dos efeitos irritantes da droga, evita que o fármaco seja destruído pelo suco gástrico e atrasa o início da ação do medicamento. Formulações de ação estendida (liberação lenta) são feitas para liberar a droga por um longo período de tempo. Essas formulações incluem comprimidos em múltiplas camadas, nos quais a droga é liberada quando cada camada se dissolve.
 
Há também pílulas de liberação mista, que se dissolvem em intervalos de tempo diferentes. Alguns medicamentos de ação estendida possuem duas metades, podendo, assim, ser quebrados em duas partes sem que se afetem os mecanismos de liberação da droga. Ainda assim, tais medicamentos não podem ser macerados ou mastigados.
 
O que fazer quando uma medicação é prescrita e ocorrer este tipo de situação?
 
O profissional precisa ter um conhecimento básico dos fármacos utilizados em seu setor, para saber se pode ou não ser macerado, pode consultar o farmacêutico disponível no hospital, ou tirar dúvidas com o Enfermeiro do setor. Se tudo indicar que não é recomendado a utilização da medicação macerada, é necessário comunicar ao médico, para administrar em métodos alternativos, como via endovenosa, intramuscular, etc.
 

Nome Comercial

Nome Genérico

Observação

Acinic®, Metri®. Niacina Liberação lenta
Adalat® Nifedipino Liberação lenta
Anemiplus®, Hematofer®, Ferrini® Sulfato Ferroso Liberação lenta
Artane®

Triexifenidil

Liberação lenta. As cápsulas podem ser abertas e o conteúdo retirado sem mastigar ou macerar
Carbolitium CR® Carbonato de Lítio Liberação lenta
Cardizem®, Cardizem CD®, Cardizem SR® Diltiazem Liberação lenta. As cápsulas podem ser abertas e o conteúdo retirado sem mastigar ou macerar
Clohedyl SA® Oxtrifilina Liberação lenta
Depakene® Ácido Valpróico Liberação lenta. Irrita as membranas mucosas
Diamox®, Zolamox® Acetazolamida Liberação lenta
Dicorantil F® Disopiramida Liberação lenta
Dilacoron® Verapamil Liberação lenta
Dimetapp® Gelcaps Pseudoefedrina, Bronferinamina Liberação lenta

Dimorf®, Dimorf LC®, Dolo Moff®

Morfina Liberação lenta
Dorflex®, Doricin®, Rielex® Orfenadrina Liberação lenta
Dulcolax®, Lacto-Purga® Bisacodil Revestimento entérico
Eribiotic®, Eriflogin®, Eripan®, Eritax®, Eritrex®, Ilosone®, Lisotrex® Eritromicina (Etilsuccinato) Revestimento entérico
FULCIN®, SPOROSTATIN® Griseofulvina Maceração pode resultar em precipitação da droga
Gaspirem®, Loprazol®, Losec®, Lozap®, Omep®, Omeprazol® Omeprazol Liberação lenta
Hidrato de Cloral® Hidrato de Cloral Cápsula preenchida com líquido
INDERAL®,PRONOL®, PROPACOR®, Propranolol®, Propranolon®, Rebaten LA®, SanPRONOL® Cloridrato de Propanolol Liberação lenta
INDOCID® Indometacina Liberação lenta

Isordil®

Dinitrato de Isossorbida

Liberação lenta
Lansoprazol® Prazol Liberação lenta. As cápsulas podem ser abertas e o conteúdo retirado sem mastigar ou macerar

Mestinon®

Piridostigmina

Liberação lenta
Monotrean®, Nicopaverina AP® Papaverina Liberação lenta
Naldecon® Fenilefrina Liberação lenta
Piroxil®, Piroxin® Piroxicam Irrita as membranas mucosas
Polaramine®, Celestamine® Dexclorfeniramina Liberação lenta
Roacutan® Isotretinoína Irrita as membranas mucosas
Teolong®, Talofilina® Teofilina Liberação lenta. As cápsulas podem ser abertas e o conteúdo retirado sem mastigar ou macerar
Tropinal® Hiosciamina Liberação lenta
Anúncios