Cuidados de Enfermagem Pós-Morte

morte.png

É sempre difícil para toda a equipe de saúde falarmos sobre a morte. A família e o paciente ficam desorientadas. Cabe a Enfermagem proporcionar conforto ao paciente e compreensão a família.
 
O cliente em fase terminal
 
As pessoas enfrentam a morte de várias maneiras. Segundo alguns estudos pode-se esboçar em cinco estágios as reações emocionais de uma pessoa enfrentar a morte:
 
Negação: age como se nada estivesse acontecido e se recusa a aceitar o fato da perda. O profissional de saúde deve respeitar porem ter o cuidado de não estimular, compactuar ou reforçar a negação.
 
Raiva: o paciente já assimilou seu diagnóstico e prognóstico, mas se revolta por ter sido escolhido. Tenta arranjar um culpado por sua condenação. Nesta fase deve-se tentar compreender o momento emocional do paciente, dando espaço para que ele expresse seus sentimentos, não tomando as explosões de humor como agressões pessoais.
 
Barganha: tentativa de negociar o prazo de sua morte, através de promessas e orações. A pessoa já aceita o fato mas tenta adiá-lo. Deve-se respeitar e ajudar o paciente.
 
Depressão: aceita o fim próximo, fazendo uma revisão da vida, mostrando-se quieto e pensativo. E um instrumento na preparação da perda iminente, facilitando o estado de aceitação. Neste momento, as pessoas que o acompanham devem procurar ficar próximas e em silêncio.
 
Aceitação: a pessoa espera a evolução natural de sua doença. Poderá ter alguma esperança de sobreviver, mas não há angústia e sim paz e tranquilidade. Procura terminar o que deixou pela metade, fazer suas despedidas e se preparar para morrer.
Preparo do corpo após a morte
 
Material Necessário:
 
-pacote de curativo;
-algodão
-ataduras
-esparadrapo
-etiquetas de identificação
-hamper
-lençol comum ou saco mortuário
-biombo
-vestimenta (conforme a rotina do hospital)
 
Técnica de preparo do corpo:
 
-cercar o leito com biombo;
-calcar luvas de procedimento;
-colocar o corpo em posição anatômica;
-fechar os olhos do paciente;
-colocar próteses dentárias (caso existam);
-sustentar a mandíbula co ataduras para manter a boca fechada;
-retirar colcha e colocar no hamper;
-despir o morto;
-retirar cateter venoso, sondas e cânulas (caso existam);
-tamponar os orifícios naturais do corpo;
-proceder a higienização do corpo;
-trocar curativos (se necessário);
-colocar etiqueta de identificação no tórax anterior;
-vestir o corpo (de acordo com a rotina do hospital);
-amarrar os pés e as mãos usando ataduras;
-virar o morto em decúbito lateral;
-retirar os lençol, traçados e oleado;
-envolver o corpo com lençol ou saco mortuário;
-colocar outra etiqueta do lado de fora do lençol ou saco mortuário na altura do tórax;
-transportar o corpo para o necrotério ou mortuário (de acordo com a rotina do hospital);
-lavar e guardar material permanente utilizado;
-proceder a limpeza da unidade;
-encaminhar os pertences do morto (de acordo com a rotina do hospital);
-retirar luvas;
-lavar as mãos;
-fazer as anotações no prontuário e o registro de enfermagem.
 
Não esquecer, em hipótese alguma, de anotar o horário do óbito e o nome do médico que atestou o óbito.
 
IMPORTANTE: O corpo humano merece respeito e dignidade de uma pessoa viva.
Anúncios